A Geração Mal do Século

17:49

A Segunda Fase do Romantismo ficou conhecida como Geração Byroniana, Ultrarromântica ou simplesmente como Mal do Século, tal denominação faz referência às temáticas obscuras abordadas pelos poetas deste período, tais como a morte, satanismo, amores platônicos, melancolia etc.Aqui no Brasil, nós tivemos 4 nomes de peso: Álvares de Azevedo (1831-1852), Casimiro de Abreu (1839-1860), Fagundes Varela (1841-1875) e Junqueira Freire (1832-1855).









Fuga da Realidade e Subjetividade:


Um dos traços mais importantes da fase Ultrarromântica é a subjetividade.Os poetas da Segunda Geração mergulharam profundamente em suas próprias almas e tiraram dali inspirações- ainda que angustiantes, para a composição de seus poemas.E sendo por tanto extremamente melancólicos e inconformados com o presente que viveram, praticaram frequentemente o escapismo, isto é, ignoraram o presente e destinaram seus pensamentos para o passado (especialmente a infância) ou para o futuro idealizado, onde todo os seus sonhos se tornariam possíveis.Um grande exemplo disso é o poema Meus Oito Anos (1857) de Casimiro de Abreu, nos versos, o eu-lírico destila sua completa veneração e saudosismo em relação à infância.

''Oh que saudades que tenho
Da aurora da minha vida,
Da minha infância querida
Que os anos não trazem mais!
Que amor, que sonhos, que flores,
Naquelas tardes fagueiras
à sombra das bananeiras,
Debaixo dos laranjais...''

Idealização do Amor e da Mulher:

A idealização do amor e da mulher é uma das características mais fortes em obras românticas, seja ela na área da poesia ou da prosa.No entanto, a geração Mal do Século abusará dessa temática e a intensificará, levando-a a níveis de amores platônicos e nunca correspondidos.Tudo é muito excessivo nessa fase.Os poetas vivem intensamente todas as emoções, o que termina por resultar em um sentimentalismo exacerbado. 







 Lily Elsie (1886-1962), atriz inglesa.

A mulher por sua vez é descrita como anjo, ninfa, detentora do amor supremo e de todas as delícias humanas.Se torna um objeto idealizado e inalcançável.A seguir poema de Fagundes Varela que define muito bem este conceito:

''São as palavras de bondade infinda
que sabes murmurar aos que padecem,
os carinhos ingênuos de teus olhos
onde celestes gozos transparecem!...

Um não sei quê de grande, imaculado,
que faz-me estremecer quando tu falas,
e eleva-me o pensar além dos mundos
quando, abaixando as pálpebras, te calas.''


Ainda sobre essa esfera amorosa, o escritor modernista Mário de Andrade elaborou um ensaio intitulado Amor e Medo, onde faz algumas considerações:


''Secreta ou confessadamente, o homem romântico se inclinava a morrer moço.E quantos, mas quantos não terão morrido apenas vítimas desse pressentimento, nem vale a pena imaginar!.Entre nossos maiores poetas do Romantismo tal pressentimento foi de praxe.E a morte em plena juventude também.

Os nossos poetas românticos foram muito vítimas dessa imagem de rapaz morto.Não só a cantaram às vezes (especialmente Álvares de Azevedo), como viram suas vidas encurtadas [...] E tendo morrido moços, no geral poetaram como moços, muito embora finjam às vezes formidável experiência da vida.''


Geração do Mal do Século





De acordo com Mário, os poetas ultrarromânticos sentiam medo de amar, cada qual por um motivo, uns por receio de serem traídos, outros como Álvares de Azevedo preferiam uma relação platônica em detrimento de uma relação físico/carnal. porque uma relação sexual terminaria por macular o amor idealizado .

MORTE E SATANISMO

Escrever sobre a morte não era uma tarefa difícil para os poetas da Segunda Geração.Impregnados de pessimismo, ao melhor estilo alemão, a morte e o sono eram louvados nos poemas.

Dizem as línguas que Álvares de Azevedo fez parte uma seita satânica. onde eram organizadas reuniões regadas à orgias e outras obscuridades.O que podemos garantir é que tal temática se tornou eterna nos seus versos ''Se Eu Morresse Amanhã ''.

Os representantes da Geração Mal do Século morreram bastante jovens, Álvares de Azevedo e Cassimiro de Abreu aos 21 anos, Junqueira Freire aos 23 e Fagundes Varela aos 34.

Antiguinhas

37 comentários

  1. Eu estudei um pouco disso no primeiro ano do ensino médio, mas agora pude aprofundar com o seu post. A maioria dos poetas escreviam sobre o romance como se ele fosse mortal né? Tudo era ligado a isso, li alguns e era tudo ligado à isso, morte e tal. Dizem que o hoje o povo é cheio de mimimi, mas naquela época acho que era maior o mimimi né? Hahahaha!

    Beijos!
    www.likeparadise.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que o mimi se transformava em versos, hoje em dia se transforma em texto de facebook.

      Excluir
    2. Exatamente! Mas hoje em dia as pessoas estão com um escudo maior pra disfarçar o mimimi, aí posta uma indireta do tipo "Agora assista aí de camarote eu bebendo gela tomando Ciroc" HAHAHAHAHAHA!

      Excluir
    3. hahahah bem isso mesmo!

      Excluir
  2. Oi, Gabi! Já disse que adoro esses posts que me fazem relembrar de um conhecimento que eu tinha tão certo dentro de mim e hoje em dia, mal lembro, né?! Pois é, amo!
    A fase ultrarromântica era uma das minhas preferidas. Adoro esse sentimentalismo todo.
    Álvares de Azevedo era meu preferido, sem dúvida!

    Beijos.

    BLOG COISA E TAL

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Álvares é um amorzinho *-* gosto muito do trabalho literário dele.

      Excluir
  3. Nossa, realmente, eles morreram muito jovens :O Caramba. Eu lembro que estudei isso nas aulas de português mas foi super rapidinho. Me interesso muito pelo tema e literatura/história é sempre muito importante saber mais, né? <3 Obrigada por compartilhar aqui.


    Beijos
    Brilho de Aluguel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. História e literatura eram uma das minhas matérias favoritas! <3

      Excluir
  4. Oi Gabi, tudo bem?
    Adorei o texto! Eu sempre curti as aulas de Literatura, e gostava muito de estudar os diferentes autores e movimentos literários. Parabéns pelo post!
    Beijos,

    Priscilla
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  5. Lembro bem das aulas de literatura no colégio e esses autores amavam demais e não eram correspondidos, talvez seja por isso que morreram tão jovens.
    big beijos
    Lulu
    www.luluonthesky.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, altos amores platônicos :p

      Excluir
  6. Respostas
    1. HAHAHAH eu também...adoro as influências do Lord Byron nesse período.

      Excluir
  7. Lembro de ter estudado isso no colégio, mas foi muito bom relembrar.
    Beijinhos ❤
    http://www.alecanofre.com/
    https://www.youtube.com/alecanofremakeup/

    ResponderExcluir
  8. Foi o que + gostei de estudar nas aulas de literatura. Álvares de Azevedo é meu preferido.

    Beijos/Xoxo.

    Anete Oliveira
    Blog Coisitas e Coisinhas
    Fan Page Coisitas e Coisinhas
    Instagram

    ResponderExcluir
  9. Que época maravilhosa para a poesia, né Gabriela? Amei relembrar esses autores incríveis!

    http://naomemandeflores.com

    ResponderExcluir
  10. adoro teus posts sobre literatura!
    estudei praticamente nada na escola - por falta/troca de professores- e na facul achei bem matado também, sem contar que nenhum professor conseguiu me conquistar pra gostar de estudar e entender literatura. Gosto de ler e só!

    xoxo
    Guria do Século Passado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mega feliz que tenha gostado.Eu tive bons professores de literatura, mas confesso que muita coisa aprendi por conta própria, pelo gosto de aprender mesmo.

      Beijos

      Excluir
  11. Augusto dos Anjos fazia parte dos "mau amados" e melancólicos né? Adoro o romantismo acho muito rico e lindo.
    Isso se morrer jovem é triste demais, demais :(

    www.cantinhob.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade o Augusto não fez parte do Romantismo brasileiro, geralmente ele é enquadrado no período do Pré-Modernismo.Ele tem em sua obra uma mescla de gótico, simbolismo e questionamentos existencialistas.

      Beijos

      Excluir
  12. Gabi, apesar de eu não ser muito sentimental e nem gostar dess a idealização da mulher, eu acho que da literatura clássica nacional o período que eu mais gosto e mais li obras foi o romântico. Engraçado, né? xD Dessa geração eu gosto bastante de Álvares de Azevedo, uma pena ele e os demais terem morrido tão cedo.

    Um beijão!
    Heeey, Maria! | Fanpage

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu confesso que também não morro de amores por essa idealização toda, masss,Álvares é um querido *-*

      Excluir
  13. Caraca, morreram mega jovens. Adoro os romantistas, algumas vezes (muitas) exagerados, mas eu gosto hahaha

    beijos, Love is Colorful

    ResponderExcluir
  14. Eu estudei isso no colégio, mas faz taaaaaanto tempo que nem lembrava! Gostei de relembrar! :) Nessa época, eles morriam muito cedo mesmo né?


    Beijinhos
    n. // www.fashionjacket.com.br

    ResponderExcluir
  15. Adoro suas aulas em formato de posts, me lembram muito o que estudei em literatura, matéria que eu amava de paixão. Eu particularmente sempre me vi muito atraída nesse período "Mal do Século", e por todos esses jovens poetas que infelizmente partiram muito cedo, mas que deixaram um legado incrível que atravessa os séculos. Amei <3

    Beijos,
    Pri
    www.vintagepri.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico mega feliz que você tenha gostado Pri <3

      Excluir
  16. Mesmo com esse nome, essa geração rendeu belas obras. A postagem como sempre foi uma aula incrível. Tenha um dia abençoado, beijos!

    Blog Paisagem de Janela
    paisagemdejanela.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bastante.Uma das minhas favoritas na literatura nacional :D

      Excluir
  17. Quando mais jovem, adorava Alvares de Azevedo pq era o 'nosso' escritor gótico. Quando entrei na faculdade, estudei basicamente todos os nomes da nossa história e fiquei mais apegada as palavras dele. :3
    | A Bela, não a Fera| | Tô RYCA na Finlândia|| FB Page A Bela, não a Fera|

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu já tive uma fase muito álvares, hoje não leio tanto, mas continuo gostando!

      Excluir
  18. Olá, tudo bem?
    Adorei seu blog e seu post, estou segundo.
    Beijos
    Diário de Casada

    ResponderExcluir
  19. Isso me fez perceber o quão breve costumavam ser as aulas de Literatura. Muito interessante conhecer certas coisas mais a fundo, entender melhor. A gente vai tirando vários véus né.
    Acho curioso ver como muitos extremismos ocorrem hoje, sempre ocorreram. Cada qual disfarçado em forma diferente, porém na mesma essência.

    Baú de Canto

    ResponderExcluir