94 anos da Semana de Arte Moderna e sua importância

23:14

Entre os dias 11 e 18 de fevereiro de 1922, foi projetada para ocorrer no Theatro Municipal de São Paulo, a Semana de Arte Moderna, todavia, as apresentações só ocorreram em três dias (13,15 e 17).O evento não propunha um objetivo uno em relação aos rumos da arte brasileira, o único ponto  em comum que havia entre os artistas participantes, era uma grande vontade de experimentar e criar uma expressão artística genuína e que representasse o nosso povo.

94 anos da Semana de Arte


Até início dos anos 20, podemos dizer que a arte produzida aqui, de certa forma, ainda estava cercada de academicismo, elitismo e conservadorismo.Academicismo porque a arte oriunda de artistas com diploma era mais valorizada, elitismo devido à uma classe dominante que repudiava artistas que tocavam fundo em feridas sociais do Brasil e conservadorismo ligado à questões de linguagem, temática e gênero- afinal de contas, as mulheres no mundo das artes nunca foram bem vistas.


Semana de Arte 1922



No sentido prático, durante o ano de ocorrência, embora sofrendo represálias de diversos lados, a Semana de Arte não chegou a representar uma grande revolução. No entanto, os desdobramentos posteriores e a persistência de cada um dos envolvidos, fez com que o evento se tornasse de fato relevante.

Como dito no primeiro parágrafo, não existia homogeneidade no movimento modernista, ainda assim, no que diz respeito à Literatura, os autores lutavam por uma linguagem mais próxima ao leitor e livre de rebuscamentos.Na área da poesia, as produções metrificadas foram deixadas de lado por poemas de versos livres, e a prosa por sua vez deu continuidade à temáticas regionalistas iniciadas na fase do Pré-Modernismo.

A seguir um excerto do poema Sapos (1918) de Manuel Bandeira, uma  jocosa crítica ao modelo de poesia parnasiano, que como é sabido, seguia rigorosamente o sistema de métricas.

O sapo-tanoeiro,
Parnasiano aguado,
Diz: - "Meu cancioneiro
É bem martelado.


Vede como primo
Em comer os hiatos!
Que arte! E nunca rimo
Os termos cognatos.


O meu verso é bom
Frumento sem joio.
Faço rimas com
Consoantes de apoio.


Vai por cinquenta anos
Que lhes dei a norma:
Reduzi sem danos
A fôrmas a forma.



A participação de mulheres na Semana de Arte em 1922 foi outro ponto de extrema importância.Tarsila do Amaral, Anita Malfatti e Patrícia Galvão (Pagu) tomaram a frente do movimento, e mostram que sim, as mulheres também podiam produzir arte, fazer reflexões sobre ela e usá-la para exprimir suas impressões sociais.

Semana 1922
Patrícia Galvão.


Embora o público tenha estranhado o tipo de arte apresentada, nós podemos afirmar  que os artistas modernistas contaram com o apoio da elite cafeicultora paulistana, o que pode soar contraditório, mas não, se levarmos em consideração que existia um interesse por trás em transformar São Paulo em um grande polo cultural.Outras regiões do país, como o Rio de Janeiro, se mostraram mais relutantes em aceitar o movimento.

O ano de 1922 era exatamente o centenário da independência brasileira (1822).Escolha simbólica que representava nossa independência cultural e a busca por uma identidade.

Antiguinhas

12 comentários

  1. Nunca vou esquecer as aulas sobre a semana da arte moderna! Acho a Tarsila tão linda!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. mt boa lembrança, td o movimento antropofagico foi msm super importante pra gente!

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
  3. Caraca, esse post foi uma nostalgia. Me lembrei demais da época do colégio, lembro até hoje da professora falando da semana de arte moderna e sua importância.

    Beijos, Love is Colorful

    ResponderExcluir
  4. Que post legal!! Me lembrei muito do colégio.

    Beijos ♥

    Jéssica || Fashion Jacket
    www.fashionjacket.com.br

    ResponderExcluir
  5. eu sou apaixonada por esse movimento, sério <3
    lembro do ensino médio estudando isso e pensando "cara, isso sim é foda" ainda mais eu que achava o parnasianismo um saaaaaaaaaaco hahhahahahahah

    Beijos,
    Isabella
    The Urban Trends

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Confesso que não morro de amores também pelo Parnasianismo, eles prezam muito pela forma e alguns deixam a desejar no conteúdo do poema.

      Excluir
    2. Confesso que não morro de amores também pelo Parnasianismo, eles prezam muito pela forma e alguns deixam a desejar no conteúdo do poema.

      Excluir
  6. Nessa semana teve muita gente boa, gosto do Victor Brecheret e Di Calvanti.... Foi um evento marcante, masatualmente precisamos de uma semana assim.

    www.cantinhob.com

    ResponderExcluir
  7. Oi Gabi, tudo bem?
    Seu post me lembrou várias aulas da faculdade! Muito informativo e interessante. :)
    E ainda bem que houve um movimento pra romper com as regras super rígidas de outrora.
    Beijos,

    Priscilla
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  8. É impossível ler esse post lindo e não lembrar das minhas aulas de artes, e de que tive ótimos professores nessa matéria. Fico imaginando como teria sido maravilhoso esta lá e presenciar essa revolução artística, e ver o trabalho de mulheres começando a ter destaque *--*

    Beijos, Pri
    vintage.blogspot.com

    ResponderExcluir